AUTORES

Julho 05 2014

METANOIA

 

Numa linguagem despreocupada, sem rigor linguístico, podemos considerar a palavra atitude como sinónima de comportamento. Na verdade, atitude e comportamento confundem-se de tal maneira que um comportamento revela por si só a atitude que lhe deu origem, e quando conhecemos as atitudes de uma pessoa, de nada nos admiramos dos comportamentos que ela venha a ter. É que a atitude é uma maneira de pensar, um comportamento é uma maneira de agir segundo a maneira de pensar. Uma grande virtude de cada pessoa será exactamente ter procedimentos consentâneos com as suas atitudes. As nossas atitudes são a nossa cultura, as nossas opiniões e a nossa filosofia de vida; os nossos comportamentos são os actos que praticamos, subordinados ou inspirados pelas atitudes que tivermos. Em Religião, podemos ter várias atitudes: ser católico, ser muçulmano, ser ateu, etc.; em Política, podemos também diversas atitudes: ser meros simpatizantes de certo partido, colaborador desse partido, abster-se de ter partido, etc.

A atitude religiosa leva-nos, talvez, a ir à missa, celebrar a Páscoa, rezar à maneira católica, etc., ou, se formos muçulmanos, rezar à maneira muçulmana, ir a Meca, celebrar o Ramadão, etc. A atitude política leva-nos a vários comportamentos: votar no partido que nos satisfaz pelos seus programas e ideais, participar nos seus comícios, etc.

Metanoia é simultaneamente atitude e comportamento, de tal maneira unidos que é impossível separar a atitude do comportamento e o comportamento da atitude. É um pensar e um agir, de tal maneira que a maneira de pensar implica uma única maneira de agir, e essa maneira de agir é a própria maneira de pensar.

 Numa linguagem sem preocupação de rigor, metanoia pode significar conversão, mas na realidade é muito mais que uma simples conversão. É uma mudança de mentalidade, um movimento profundo e sincero de arrependimento, que nos leva a converter-nos, de alma e coração, e a renovarmos toda a nossa vida espiritual nas nossas relações com Deus e com o próximo, a ver com nitidez a fealdade do pecado e nos faz caminhar na senda da perfeição, tentando corresponder à ordem-convite de Cristo de ser perfeito como o nosso Pai celeste é perfeito. É uma nobreza que nos impõe obrigações, é uma sabedoria que nos impõe responsabilidades, é uma benesse e um dom do Espírito que nos leva a lamentar os pecados cometidos e a deles nos sentirmos envergonhados, com firme desejo de a eles nunca mais voltar.

Na Igreja Católica há um cântico, muito próprio para ser cantado logo após a comunhão, em que se diz:

 

Canta serena, minha alma,

Bela joia em ti reluz;

Já colheste a tua palma

Já a ti desceu Jesus.

 

Quando o nosso espírito por acção do Espírito se abre numa  metanoia, sincera, completa, profunda, irreversível, qualidades sem as quais a metanoia não chega sequer a existir, teremos na nossa incrustada na nossa alma a mais bela das joias.

                                                                                                                                                                                laurindo.barbosa@gmail.com

publicado por Fri-luso às 20:40

Laurentino Sabrosa
Image Hosted by ImageShack.us
Europa
Europa
pesquisar