AUTORES

Abril 24 2014

HOMOSSESUAL = GAY ?

 

No assunto de homossexualidade, há um pormenor que nunca tenho visto referido, mas para mim é importante.

É sabido que a palavra inglesa gay significa alegre, contente satisfeito. Ora, um homossexual ser alegre, satisfeito de o ser, como se isso fosse uma medalha de mérito e uma grande honra em benefício da humanidade, é que me custa a aceitar e me confrange ver tanta gente complacente em aceitar.

A homossexualidade é, no mínimo, um desvio da função sexual, tão lamentável que seria o pior que poderia haver em toda a humanidade se todos o seguissem.

Podemos aceitar que alguém tenha essa disfunção, pois, segundo parece, é fenómeno que pode existir independentemente da vontade do indivíduo, por factores múltiplos: hereditários, biológicos, genéticos, etc. Mas não deixa de ser uma aberração, que, como tal, deve ser tratada, corrigida pelo próprio com todo o apoio possível da sociedade. Não há nenhuma doença, física, mental ou psicológica que confira ao padecente a satisfação de a ter, e que a sociedade ajude e incentive a nela continuar. Um exemplo, de certa maneira modesto, é a cleptomania. Por esta “doença”, uma pessoa tem prazer em roubar sem necessidade. É “doença” inofensiva, a não ser para os que são roubados, em geral em coisas de não grande valor e em pequenas quantidades. Será que o cleptómano tem direito a se declarar satisfeito, gay, pela inclinação e prazer que tem? Que me conste, ainda não há um movimento cleptómano a proclamar e defender direitos e estatutos.

A sociedade não aceitaria, pelo mal que isso seria na harmonia social. Pois, em minha opinião, o mal que os homossex-gays, espalham na vida social é muito superior ao mal que adviria se deixássemos os cleptómanos viver em paz, entregues a seu bel- prazer à sua tendência, que também é uma anomalia proveniente de factores múltiplos: hereditários, genéticos, psicológicos, etc.

Assim, como se compreende que a sociedade aceite que os homossexuais tenham o descaramento de se declararem satisfeitos por terem um defeito aberrante?

O homossexual merece atenção, apoio, respeito, ajuda no esforço que queira fazer para se ver livre de uma anomalia perniciosa. Não tem culpa daquilo que é e sente. O gay merece só censura e opróbrio, não por ser homossexual, mas exactamente por ser gay. O ser humano é tão complexo que tanto pode ser anjo como demónio. Não falta por este mundo fora quem seja uma coisa ou outra.

Um familiar meu, no Brasil, em plena estrada, foi assaltado por um bandido que não se contentava em roubar. As suas vítimas eram sempre assassinadas, até com requintes de malvadez. Tornou-se muito conhecido em todo o Estado, pela sua capacidade de fuga e pela malvadez dos seus crimes, tendo ganhado celebridade por ser o maior criminoso de que havia nos registos policiais. O meu familiar conhecia, como muita gente, apenas de nome o tal criminoso, e quando se viu frente a ele, não sabia com quem estava metido. Em vez de resistir e de se mostrar preocupado e agastado, tomou a iniciativa de entabular conversa, com tal habilidade e sorte que conseguiu serenar os instintos do homem. Não sofreu qualquer dano e, ao fim, o criminoso deu-se a conhecer e disse-lhe: você é uma pessoa cheia de sorte, foi amável comigo; mas olhe, eu quero manter a fama que tenho, tenho muito orgulho em ser considerado o maior criminoso conhecido da Polícia. Até hoje você é a primeira pessoa a sair viva das minhas mãos. Vá embora, que está cheia de sorte. Este criminoso tinha uma mente distorcida e merecia o castigo máximo não só por ser criminoso mas por ser, também ele, gay, satisfeito e alegre por o ser.

O grande mal ou vergonha não é ser-se homossexual, é ser-se gay. É uma separação de águas que eu nunca vi ser feita, porque imperam uma imoral liberdade e uma imoral permissividade.

 

   laurindo.barbosa@gmail.com

 

publicado por Fri-luso às 17:10

Bom Dia Amigo,
Há 3 anos atrás havia um programa no Palácio das Galveias chamado " à Conversa Com..."
Uma vez a conversa foi com o conhecido Prof. Dr. Daniel Sampaio (psiquiatra e escritor).
Uma pessoa da assistência perguntou-lhe que risco corriam os pais de ter um filho homossexual (isto dá para os dois sexos).
O Dr. Daniel Sampaio respondeu do seguinte modo:
- O Sr. quando vai ser pai consegue fazer um filho ou uma filha, consegue escolher o sexo? Claro que não.
Pois o risco de se ter um filho homossexual é o mesmo que ter um filho ou uma filha.

Então o Dr. explicou como acontece durante as duas primeiras da gestação do feto.

Assim qualquer um de nós pais se habilitou a ter um filho assim

Ninguém escolhe ser homossexual, assim como ninguém consegue escolher ser rapaz ou rapariga.

A palavra Gay vem do inglês e é muito usada no Brasil e em Portugal mais em tom pejorativo.

Quando eu não era suficientemente esclarecida também era contra e considerava aberração, hoje perante a informação disponível aceito com carinho e amizade, tenho amigos(as) que o são e posso afirmar que são os meus melhores amigos, sabem bem o que é a amizade muito melhor que os heterossexuais.

Tchaikovsky grande compositor russo teve de se casar para poder ser aceite na Corte dos Czares para poder apresentar a sua música.
Hoje estamos no Século XXI e com toda a informação ainda há muitos preconceitos para com uma coisa que ninguém escolher tê-la!

Votos de bom fim de semana
Susana Custódio
Susana Custódio a 25 de Abril de 2014 às 09:46

Laurentino Sabrosa
Image Hosted by ImageShack.us
Europa
Europa
pesquisar