AUTORES

Abril 26 2013

JUVENTUDE

 

Como sempre a Juventude está de parabéns. Mais uma vez se vão realizar Jornadas de Juventude, desta vez com a presença de milhares de jovens de todo o mundo e do Papa Francisco, em Julho, no Rio de Janeiro.

 Há também o DIA INTERNACIONAL DA JUVENTUDE, que é celebrado a 12 de Agosto, data escolhida por uma Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude, realizada em Lisboa e em Agosto de 1998. Nesse dia 12, muitas instituições concedem acesso gratuito e descontos a todos os jovens, colaborando com regozijo nessa celebração.

O ano de 1985 foi o ANO DA JUVENTUDE. Mas, na verdade, estas celebrações devem ser estímulos e permanentes chamadas de atenção para os jovens serem sempre jovens, não apenas nesses “anos” e naqueles “dias”. E quem são os jovens? São apenas os da faixa etária dos 15 aos 30 anos?

Cada qual de nós, qualquer que seja a idade, pode sentir que esses “dias” e esses “anos” também lhe são dedicados, e sentir o mesmo estímulo de plenamente lhes corresponder, pois a juventude anda intimamente ligada à Felicidade, pois como ela, é um estado de espírito. Um homem que se sinta velho, a ruminar recordações e a andar só de pantufas, não pode ser feliz e, vice-versa, um homem que se sinta infeliz depressa chega à decrepitude física e espiritual.

Somos felizes e jovens se pusermos de parte contendas e arbitrariedades, promovendo, então, a Paz e a Justiça; somos felizes e jovens se com as nossas forças espirituais e físicas nos multiplicarmos a favor dos outros que, velhos como nós não somos, precisam de ser ajudados; somos felizes e jovens se, apesar do avanço da idade, não nos deixarmos acometer pela avareza e sentirmos verdadeiro prazer em dar.

Poderá um ateu, um agnóstico, um indiferente, manter-se feliz e jovem? No fundo, sem uma fé que o conforte e lhe explique donde vem e para onde vai, é um desnorteado e um infeliz. Que diferença entre certos revolucionários, como Mirabeau, o “Mirabeau tonneau”, que dizia não se importar de ser cão, para poder matar os seus inimigos da realeza com as suas dentadas, e São Francisco, de Assis, que, sem considerar ninguém seu inimigo, amava profundamente a Deus e a todo o Universo, pássaros ou pedras, só porque por Ele foi criado, e aludia muitas vezes ao “irmão Sol”, à “irmã água” ou ao “irmão lobo”! Que diferença!!

Só quem ama a Deus e, portanto, segue a Sua Lei, pode ser feliz e jovem, porque só ele pode cultivar a Sabedoria; só ele pode aceitar a divina vontade e lutar pela perfeição; só ele pode contemplar embevecido e agradecido a Natureza com as maravilhas por Deus nela espalhadas, e com o Universo se harmonizar de tal maneira que, como diria Florbela Espanca, poderá “tratar por tu a mais longínqua estrela”.

Após a tempestade vem a bonança, após o transe quaresmal vem a alegria pascal, após o sofrimento vem o renascer, às vezes com sacrifício heróico, numa Vida Abundante, conforme Cristo prometeu. Essa Vida inclui uma boa dose de Sabedoria espiritual e até mesmo intelectual; uma razoável dose de Felicidade espiritual e até mesmo material; uma grande dose de Juventude espiritual e até mesmo biológica. Para nosso próprio Bem  elevemos os nossos corações, assumamos uma atitude mental optimista e vitoriosa, mas principiemos primeiro por monologar, depois clamar bem alto para que o mundo nos ouça, a seguir cantar bem sentido e forte para que o  mundo se sensibilize:

É PRECISO RENASCER; DEIXAR ÓDIOS, VIOLÊNCIAS E ACEITAR O REINO DE DEUS. É PRECISO RENASCER.

De outro modo, não conseguiremos ser simultaneamente jovens e felizes e contribuir para a felicidade dos outros. Afinal de contas, ser verdadeiramente jovem é um dever de todos nós.

 

15 de Março de 2013                          

                                                                                                                               laurindo.barbosa@gmai.com

publicado por Fri-luso às 19:29

Laurentino Sabrosa
Image Hosted by ImageShack.us
Europa
Europa
pesquisar