AUTORES

Dezembro 08 2012

 

31/12/2012

  

NATAL 2012

Laurentino Sabrosa

Não é de grande ciência, mas de psicologia elementar, saber que cada pessoa vive como quem é. Ri muito ou ri pouco, é pessimista ou optimista, é paciente ou irascível, conforme o lastro espiritual e moral que tem no seu consciente ou no seu subconsciente. Cada qual mostra, mesmo sem querer, aquilo que é, pelos seus comportamentos, nas suas relações sociais e nas suas relações com Deus. Cada qual pensa, trabalha, dá, sofre e reza como quem é – pensa com recta intenção e procurando critérios de justiça, ou elabora opiniões e convicções de conveniência; trabalha, dá, sofre e reza sem dar nas vistas, ou, pelo contrário, exactamente para dar nas vistas.

Na altura do Natal não será difícil descobrir mais flagrantemente, nos amigos, nos vizinhos, o que eles têm de perfume e luminoso, ou o que têm de rasto pegajoso, observando como eles vivem o Natal. Porque também aí cada qual vive como quem é. A pessoa define-se pelo conceito que tem de Natal, pelo que faz pelo Natal, pela alegria ou indiferença que tem em celebrá-lo.

 Caro leitor. Pelo simples facto de ter principiado a ler este escrito e ainda estar interessado nele, eu já sei que o leitor vive como quem é, mas da melhor maneira. Num cântico da nossa Igreja Católica, diz-se que “ser cristão não há maior nobreza”. Porque pensa com recta intenção, trabalha, dá, sofre e reza sem dar nas vistas, vai pôr a sua nobreza de cristão ao serviço do Natal, seu e dos outros, exactamente porque durante todo o ano põe a sua nobreza de cristão nas suas relações sociais e nas suas relações com Deus. Por isso, não vai passar o Natal com o apetite aguçado pela avidez gulosa e apressada da publicidade, nem desejar Boas Festas a toda a gente só com sorrisos e palavras de circunstância e amabilidade social.

Meu caro amigo. Eu e muitos irmãos nossos, também vivemos como quem somos, mas gostaríamos de sermos melhores para vivermos melhor. Muito precisamos da sua ajuda para, então, todos nós, mesmo todos, nesta quadra de Natal, pormos a nossa nobreza de cristãos ao serviço do Natal, descobrindo quem tem as suas estrelas de felicidade apagadas, as suas melodias de paz silenciadas, e quem vive com alegria forçada de quem tem uma vida em permanente “romaria em dias de epidemia”.

Sei que já está a dar essa ajuda. Bem-haja. Não preciso desejar-lhe um santo e feliz Natal. Sei que vai ter um feliz e santo Natal. Os meus parabéns.

 

POSTAL DE PARABÉNS A QUEM CELEBRA

O SEU ANIVERSÁRIO PELO NATAL

Prezado Aniversariante

É obrigação de todos nós darmos dia a dia graças a Deus, por mais um dia de vida e de possibilidades de O louvarmos, pelas maravilhas que ele operou em nós e em toda a Criação. No dia do aniversário, qualquer que seja a data atribuída pelo Tempo, lacaio de Deus, essa obrigação é, porventura, ainda maior, porque nos deixou acumular muitos dias, talvez bastante distraídos da obrigação de Lhe agradecermos os dias de vida que nos vai dando, e sem O louvarmos pelas maravilhas que Ele na Criação operou, apesar de dela fazermos parte e dela sermos usufrutuários. O dia do aniversário deve ser o dia de fazermos as nossas contas com Deus, pois que, se “contas com Jorge, Jorge na rua”, podemos dizer que “contas com Deus, Deus em casa”.

E se o Tempo nos concedeu nascermos, não num dia qualquer mas pelo Natal? Oh! É uma honra poder­mos comemorar o nosso aniversário juntamente com a comemoração do nascimento de Jesus! O Tempo foi para nós não o lacaio de Deus mas o mordomo de Deus! Por isso, ainda mais obrigação temos, não só de fazermos as contas com Deus mas de Lhe agradecermos e de O glorificarmos. Para o cristão o Natal é holofote que ilumina o ano inteiro. É o tempo do amor, da suavidade e da fraternidade, em que somos convidados a cantar, como outrora os anjos aos pastores de Belém, “glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados”. Celebrar devidamente o nosso aniversário é a maneira mais fácil de agradecer a Deus o dom da vida, mas celebrar condignamente o nosso aniversário que ocorre na época em que evocamos o Deus Menino, é uma glória que devemos aproveitar. Quando Ele nasceu, Deus “manifestou nas alturas a sua grandeza”; se o nosso aniversário pelo Natal for comemorado com o verdadeiro espírito de Natal, daremos o nosso contributo para que Ele possa “fazer brilhar na Terra a Sua glória”. Prezado Aniversariante. Redobrados parabéns! Celebre o seu natal com grandeza, para a qual o que menos é preciso são luxos sociais ou familiares. A nossa fraternidade faz-nos desejar-lhe também muita saúde em longa vida.                               

 laurindo.barbosa@gmail.com


 

publicado por Fri-luso às 10:08

Laurentino Sabrosa
Image Hosted by ImageShack.us
Europa
Europa
pesquisar